O que pode ser feito para prevenir ou controlar o avanço da Diabetes Mellitus (DM) no Estado? Como a Ciência, Tecnologia e Inovação podem contribuir para isto? Medicação, prática de exercícios e alimentação adequada são realmente as únicas alternativas? As respostas para estas e outras questões poderão ser esclarecidas na 3ª edição da Inova Minas FAPEMIG, que traz para a Praça da Liberdade projetos como a Avaliação da efetividade das intervenções comportamentais orientadas para o autocuidado e o Uso da tecnologia e da evidência clínica para uma assistência no controle e prevenção da Diabetes Mellitus, entre outros.

Para a coordenadora do projeto, Avaliação da efetividade das intervenções comportamentais orientadas para o autocuidado, Heloísa de Carvalho, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), o cuidado com a enfermidade vai além de uma alimentação adequada, medicação e atividade física; é essencial uma mudança de comportamento que estimule o autocuidado. “Sabemos que incorporar ou mudar hábitos de vida é o mais difícil. Por isso, as pessoas tentam resolver esse problema por meio da medicação, o que não é apropriado”, pontua.

Para corrigir este problema, um grupo multidisciplinar de profissionais da área da saúde, linguística aplicada, estatística, ciências da computação e informática uniram-se e desenvolveram um aplicativo emotivo que exprime sentimentos de alegria, tristeza, medo, repugnância, raiva e dialogue com o usuário. “A ideia é utilizar a tecnologia, para auxiliar o autocontrole e fomentar condutas de autocuidado. No nosso software, além de funcionalidades básicas, como: obter informação rápida sobre tópicos específicos; registrar o que e quando comeu e lembrar de tomar medicamentos e insulina, o usuário também terá acesso a histórias simuladas de outros adolescentes que enfrentam problemas e devem tomar decisões, arcando com as consequências das mesmas”, complementa.

Outra iniciativa, e desta vez desenvolvida na Universidade Federal de Alfenas (Unifal), focou na utilização da tecnologia para monitorar os pés diabéticos e assim prevenir complicações da doença. Para a pesquisadora e membro do projeto o Uso da tecnologia e da evidência clínica para assistência multidisciplinar, Eliene Muro, uma das formas de prevenção, é a observação direta do pé diabético, por meio destas avaliações periódicas. “O programa faz a avaliação dos pés da pessoa com Diabetes Mellitus e permite a investigação da história clínica dela para buscar alterações na pele e anexos, disfunções na sensibilidade e reflexos, alterações vasculares e anatômicas”, pontua.

Estas e outras pesquisas poderão ser vistas na Inova Minas FAPEMIG. A Mostra vai acontecer entre os dias 15 e 17 de setembro, em cinco espaços que fazem parte do Circuito Liberdade: Memorial Minas Vale, MM Gerdau, Espaço do Conhecimento UFMG e Hub Minas Digital. A Alameda da Educação, rua em frente a esses espaços, também será ocupada por caminhões de ciência e competições. Em breve, a programação completa com o horário de todas as atrações estará disponível.

Confira as atrações já confirmadas:

  • Mostra de Resultados – Cerca de 40 equipes de pesquisadores, de diferentes universidades e centros de pesquisa de Minas Gerais, estarão neste espaço apresentando os resultados de suas pesquisas à população, explicando seus projetos e dialogando com o público.
  • Exposição de projetos das Redes de Pesquisa de Minas Gerais e dos Institutos Nacionais de C&T.
  • Caminhões da Ciência: Museu Itinerante Ponto UFMG; Projeto Ciência Móvel (EPAMIG); Espaço Maker (SENAI). Os caminhões estarão distribuídos pela Alameda da Educação, mostrando seus experimentos, brinquedos interativos, resultados de pesquisas e produtos, permitindo à população o acesso a pesquisadores que poderão tirar dúvidas e atendê-los neste espaço.

 Sobre a mostra:

  • Dias:15,16 e 17 de setembro de 2017.
  • Local:Circuito Cultural Liberdade.